sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

O Rei das Cidades



                                  Foto: Fernando Capela

                                                          pardal (Passer domesticus)



Segundo relatos históricos, em 1903, quando o Rio de Janeiro se portava como um vasto hospital, mergulhado em epidemias, o prefeito Pereira Passos autorizou a introdução do pardal (Passer domesticus) para que esse combatesse efetivamente as pragas que alastravam a cidade. Oswaldo Cruz, era o diretor geral da saúde pública no país que na época coordenava as campanhas de erradicação da febre amarela e varíola na cidade do Rio de Janeiro. Soube de um amigo influente de Portugal que por lá existia um passarinho generalista na alimentação e população abundante, que havia se espalhando pelo mundo. Oswaldo Cruz não pensou duas vezes e com o aval do prefeito o pardal  foi introduzido na cidade do Rio de Janeiro se alastrando posteriormente pelo Brasil. De qualquer forma, um dia ou outro tal fato aconteceria, pois trata-se de uma espécie cosmopolita, ou seja, encontrada em todo o mundo, em diferentes climas e temperaturas. O fato de ser generalista certamente favoreceu a sua excelente capacidade adaptativa e reprodutiva. 



Nas cidades formam bandos de até 100 indivíduos, pois possuem comportamentos variados, são altruístas e gregários, mas podem também ser solitários e territorialistas. Não tenho dúvidas que o pardal é a voz das cidades, não possui um canto, mas um piado característico, que começa nas primeiras horas do dia. 

O pardal se especializou a vida urbana. É um oportunista nato, pois encontrou nas cidades o nicho ideal para o sucesso de sua espécie. Além de se alimentar de tudo, o pardal se especializou na arte de ocupar espaço, como diz no popular "não tem tempo ruim!" Inclusive, essa capacidade vem atrapalhando a reprodução de outras espécies como as andorinhas. 


Na evolução, é comum verificarmos que algumas espécies migraram para outros locais, caso contrário não seria possível efetivar o surgimento de novas espécies. O pardal é um invasor que já faz parte da fauna brasileira, com uma particularidade importante: a medida que se avança para a zona rural suas populações vão diminuindo. Quanto mais preservado for o local menor será a probabilidade de se encontrar um pardal. O pardal evoluiu no acompanhamento das atividades do homem. Seria trágico se este invasor fosse apreciador de áreas mais naturais, mas não, prefere áreas que já se encontram alteradas pelo homem. Sendo assim, seu potencial invasor se funde ao cotidiano do homem pouco interferindo nas relações ecológicas de outras espécies. Talvez, o pardal seja o nosso grande leão de xácara das cidades, predando pragas e insetos indesejáveis, além de ser um ótimo catador de lixo. 



Para os que reclamam da suas grandes populações, verão que o reinado nas cidades se vê ameaçado por outras espécies que chegaram pra ficar. Pude observar, em função disso, que as populações de pardais tem diminuído significativamente. Embora ainda muito populosos os pardais vêm perdendo espaço para maritacas e canários-da-terra. Estes com populações reduzidas mas que conseguiram de certa forma frear o ímpeto do pardal nas zonas urbanas.   

Nenhum comentário:

Postar um comentário