quarta-feira, 10 de maio de 2017

Asa-Branca





A asa-branca (Patagioenas picazuro) é a pomba que mais tem chamado a atenção nos últimos anos em se tratando de aves urbanas. Assim como as maritacas essas pombas de tamanho avantajado não eram tão comuns na região Sudeste até a chegada dos anos 2000. Ressalto que não quero aqui afirmar números com precisão, são apenas dados de observação pessoal. A ideia deste blog é justamente a participação do leitor para confrontarmos as ideias e experiências. Lembro do meu pai nos anos 80 comentando sobre uma tal de pomba-legítima, uma tal pomba grande e rara de se ver. Não imaginava que seria a asa-branca.


Pois bem, a asa-branca é a maior das pombas brasileiras que ganhou certo destaque na canção popular de Luiz Gonzaga intitulada de "Asa-Branca", onde o compositor retrata a vida dura e ardente do sertão nordestino,  pois "até mesmo a Asa-Branca bateu asas do sertão, então eu disse adeus Rosinha, guarda comigo o meu coração." 

Sua identificação é muito facilitada pela faixa branca que possui na asa, sobretudo quando está em voo. Aliás, o barulho do voo também chama muita atenção, o que facilita também, para os mais atentos, o registro da espécie.

Esta pomba ultimamente vem aumentando a sua área de distribuição no Sudeste devido a expansão agrícola. São aves que formam bandos enormes podendo percorrer grandes distâncias e em grandes altitudes. Sua alimentação baseia-se em sementes e frutos coletados no solo. Tal fato tem dado muita dor de cabeça para o produtor rural quando a asa-branca reúne-se em grandes bandos nas lavouras, especialmente milharais pós colheita. É uma pomba bem adaptada às áreas abertas e em locais mais urbanizados, então o confronto com o homem é inevitável já que esta pomba acompanha o desmatamento e vê nessas áreas oportunidade certa de alimentação e reprodução. Esta afirmação é bem coerente quando se enxerga o mapa de distribuição da espécie no site do wikiaves (http://www.wikiaves.com.br/pombao), a pomba praticamente desaparece em áreas totalmente florestadas, como se pode observar nos Estados restritos a região Norte. 


É muito comum nas cidades, logo de manhã ouvir a sua vocalização típica "huuuuu hu huuuuu." Em zonas urbanas a asa-branca possui hábitos solitários ou pode ser vista em casais, dificilmente em bandos como se vê em campo. É comum também observá-las dividindo o espaço de alimentação em comedouros com canários e rolinhas, o que demonstra a sociabilidade desta pomba adquirida em poucos anos. Eu particularmente vejo na asa-branca uma pomba exuberante! Me enche os olhos observá-la, seja no campo ou nas cidades. Sua ascensão sulista se deu ao fato único e exclusivamente ao homem, responsável direto pela expansão de sua distribuição. Assim como ocorreu com outras aves, o homem perturba o ambiente e depois reclama das consequências. 

Eu quero é mais ver  a asa-branca, fazendo o seu voo ao entardecer e anunciando a sua presença nas manhãs.